Nessa linda noite de véspera de Natal, nós preparamos um texto com extremo amor e cuidado, para que hoje cada pedacinho de tudo aqui, fique gravado em nossos corações.

É chegado o Natal, o berço do menino Jesus, e a lembrança anual de Cristo. Nessa etapa do ano, no mínimo, devemos ser gratos por inúmeras coisas: pela família, pela saúde, pelas conquistas do ano, e jamais nos esquecer do maior dos presentes de Deus ao homem, a única coisa que realmente nos pertence: o livre arbítrio.

Com ele, somos capazes de tomar decisões sobre nossas próprias vidas. Escolher entre o bem e o mal. Entre o bem do mal, ou o mal do bem. Podemos escolher entre o Perdão e a Magoa; entre o Amor e o Ódio; entre Pedir Perdão e o Orgulho; A Sabedoria ou a Ignorância; A Fé ou o Ceticismo;

A vida é cercada por escolhas, do momento que acordamos até a hora de dormimos, nisso não há duvidas, então porque duvidaria de haver boas e más escolhas? Em Coríntios 10:23 é dito “Tudo é permitido, mas nem tudo convém. Tudo é permitido, mas nem tudo edifica”. Edificar nosso templo interior, é para isso que batalhamos o ano inteiro, e só assim, podemos, através da lei universal da ação e consequência, alçar vôos e conquistas maiores. Quando o esforço de nossas próprias decisões merecerem a conquista, como dito em Eclesiastes 9:10, “Tudo o que a tua mão achar para fazer, faze-o com o próprio poder que tens”, sabemos que uma nova coluna de virtudes esta erguida no nosso templo interno.

Celebramos então, a escolha de Jesus, o Cristo, em amar a humanidade. A sua doação e o amor incondicional sem olhar a quem, nascido para libertar e salvar os homens, possibilitando o perdão e fortalecendo o livre arbítrio.

Agora toda a possibilidade de felicidade está em nossas mãos.

Neste Natal, que o grande potencial da humanidade se revele em cada um de nós para vivenciar o verdadeiro espírito do Natal e que este nos guie durante o ano novo que está para começar. Que o Poder do Cristo nos guie, nos proteja e nos ilumine. Feliz Natal.